fbpx
Contato:: +55 21 99790-5059
+0800 123 4567
 

Jovens cada vez mais pensam em morar em Portugual e contam suas vantagens de viver em um País Europeu.

Home » Uncategorized » Jovens cada vez mais pensam em morar em Portugual e contam suas vantagens de viver em um País Europeu.

Jovens cada vez mais pensam em deixar o Brasil por ter mais vantagens em Portugual

Cresce muito o número de brasileiros que optam por viver em Portugal. Os brasileiros que migraram enumeram uma série de vantagens em relação à vida no Brasil, como a saúde, a educação e o transporte públicos.

A falta de segurança e de perspectivas profissionais somadas ao alto custo de vida e impostos elevados fazem com que 19 milhões de jovens brasileiros, na faixa etária de 16 a 24 anos, queiram deixar o Brasil em busca de oportunidades no exterior.

Os dados são do Instituto DataFolha que ouviu 2.090 entrevistados. A pesquisa mostra que 50% dos que têm entre 25 e 34 anos gostariam de abandonar o Brasil. Esse percentual cai para 44%, na faixa de 35 a 44 anos e 32% para os que estão entre os 45 e os 59 anos. No grupo acima de 60 anos, o percentual é de 24%.

Formada em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), Ana Carolina Viana, 36 anos, optou por deixar Brasília, onde sempre morou, e tentar vida nova em Lisboa. “Lá em Brasília, mesmo trabalhando muito, no final do mês só sobrava para pagar as contas e eu não conseguia juntar dinheiro e fazer planos”, desabafou à Agencia Brasil.

Para Ana Carolina, morar em Lisboa significa ter melhor qualidade de vida. “Consigo morar numa casa pequena, mas que tem tudo o que eu preciso. Posso colocar meu filho em uma escola pública, que aqui é muito boa. Não preciso pagar um plano de saúde. E, com isso, posso viajar e fazer cursos”.

A vontade de “viver com menos” não é um desejo exclusivo de Ana Carolina. O cirurgião vascular Marcelo Ribeiro de Sousa Bizerra, 34 anos, natural de Teresina, compartilha essa busca de uma vida mais tranquila. Casado e com dois filhos pequenos de 8 e 2 anos de idade, ele contou à Agência Brasil que sempre teve vontade de viver fora.

“Eu tenho muita vontade de morar em um país onde eu possa criar meus filhos e que minha esposa viva de maneira mais tranquila. Um lugar onde não seja preciso trabalhar tanto, que se viva com menos, mas com mais qualidade de vida, que eu possa pagar um imposto de renda justo e que tenha um retorno mínimo para conseguir nos sustentar, dar uma boa educação para os filhos, conseguir uma saúde de qualidade e ter uma segurança mínima”, afirmou Marcelo.

Formada em Relações Internacionais, Tamira Romualdo, 27 anos, morou em vários locais do Brasil – Pará, Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal – e também no exterior, em Washington (Estados Unidos). Ela disse que teve vontade de repetir a experiência e, atualmente, a maior motivação para tentar a vida no exterior é profissional.

“Na minha faixa etária eu vejo que está todo mundo passando pelo mesmo problema: todos saem da faculdade cheios de esperança, mas trabalham muito e se empenham, correm atrás e não veem retorno”, afirmou Tamira.

Trabalhando atualmente na Embaixada de Botsuana no Brasil, Tamira conta que, se pudesse, moraria em Portugal. “Aqui no Brasil é tudo muito caro. O preço do mestrado aqui é mais alto do que em Lisboa ou no Porto. Ter um diploma de uma instituição internacional tem um peso muito maior no mercado.”


“Portugal é o segundo principal destino
, depois dos Estados Unidos. Em seguida estão Canadá, França, Espanha e Inglaterra. ”

Apesar de os dados serem variáveis devido ao elevado fluxo de pessoas que vão e vêm, a estimativa é de uma comunidade de 1,3 milhão de brasileiros em cidades norte-americanos.

O número de vistos de residência para imigrantes brasileiros nos Estados Unidos em 2017 ultrapassou os 3.300, o dobro do registrado em 2008.

A pesquisa DataFolha mostra que, em relação ao nível de escolaridade, quanto maior a graduação, mais os brasileiros querem deixar o país. No grupo com nível superior, 56% afirmaram que sairiam do país se pudessem. Entre os que têm nível médio, o percentual é de 48% e entre aqueles com ensino fundamental, 27%.

 

 

www.mundolusiada.com.br

Posted on